Harvard, superfície super hidrofóbica permanece seca mesmo debaixo d'água

Gianluca Riccio

Tecnologia

A natureza orienta a ciência: uma nova superfície hidrofóbica desenvolvida por Harvard e parceiros internacionais permanece seca debaixo d’água por meses

A inovação muitas vezes encontra inspiração nos lugares mais inesperados. Tomemos, por exemplo, uma aranha subaquática, aArgyroneta aquática. Não tem guelras, mas vive debaixo d'água. Como é? Qual é o segredo dele? Uma série de fios de cabelo que prendem o ar em uma fina camada, chamada Plastron, que lhes permite respirar. Este fenômeno acendeu uma lâmpada nas mentes dos pesquisadores de Harvard, levando à criação de uma incrível superfície hidrofóbica.

Hidrofóbico
Características físico-químicas do material

A busca pela superfície perfeita

O desejo de replicar o plastrão em laboratório não é apenas um desafio científico, mas tem enormes implicações práticas. Imagine superfícies subaquáticas que possam resistir à corrosão, impedir o crescimento bacteriano e repelir organismos marinhos, como mexilhões e cracas. Mas, como acontece frequentemente na ciência, replicar a natureza não é tarefa fácil. Tentativas anteriores viram plastrões artificiais durarem apenas algumas horas debaixo d'água.

Até hoje, pelo menos. Sim, porque quando mentes brilhantes se unem, as possibilidades são infinitas. Uma equipe de pesquisadores da Harvard, o Universidade Friedrich Alexander Erlangen-Nuremberg na Alemanha eUniversidade de Aalto na Finlândia fez uma descoberta revolucionária, desenvolvendo uma superfície super hidrofóbica com um plastrão estável que pode durar meses debaixo d'água.

Hidrofóbico, ou melhor, mais

As aplicações potenciais desta nova superfície são vastas, desde a biomedicina até à indústria. Não só repele a água, mas também demonstrou repelir o sangue e reduzir drasticamente a adesão de organismos como mexilhões e cracas. Joanna Aizenberg, coautor do estudo (que eu link para você aqui), é certo: os próximos desenvolvimentos permitirão o advento de novos materiais com propriedades nunca antes vistas.

Uma superfície hidrofóbica feita de uma liga de titânio barata e comumente usada com um plastrão de longa duração permanece seca durante centenas de “descidas” em uma placa de Petri cheia de sangue. 

Claramente, a investigação continua a melhorar ainda mais a estabilidade e eficácia destas superfícies. Uma coisa é certa, porém: a natureza continuará a nos inspirar, guiando-nos em direção a inovações que podem transformar nosso mundo.

Para relatar pesquisas, descobertas e invenções, entre em contato com a equipe editorial!

Futuro próximo e fatos cotidianos

Alberto Robiati e Gianluca Riccio guiam os leitores através de cenários do futuro: as oportunidades, riscos e possibilidades que temos para criar um amanhã possível.

Última