Fim da humanidade, as 14 armadilhas que ninguém ousa enfrentar

Gianluca Riccio

tempo

Um novo estudo alerta: 14 armadilhas evolutivas podem prender a humanidade num beco sem saída.

Numa era em que a inovação humana atingiu níveis sem precedentes, surge um presságio sombrio. Na verdade 14. Várias armadilhas evolutivas podem marcar o declínio da nossa espécie e de muitas outras que nos rodeiam. Um novo estudo ilumina estes becos sem saída, convidando-nos a refletir urgentemente sobre o nosso futuro.

Os desafios do Antropoceno

Vivemos numa era definida como o “Antropoceno”, onde o impacto humano no planeta atingiu proporções geológicas. Podemos considerá-lo um sinal da nossa afirmação como espécie, se quisermos. A questão é que esse “sucesso” (vamos chamá-lo assim) tem um lado negativo. O nosso progresso, impulsionado por um impulso inovador sem precedentes, levou-nos, aos animais que vivem connosco e a todo o planeta, para um território desconhecido e perigoso. Um território cheio de armadilhas.

As 14 armadilhas evolutivas

Um grupo de pesquisadores de Stockholm Resilience Centre identificou 14 potenciais armadilhas evolutivas que representam sérios riscos para o futuro da humanidade (Vou linkar o estudo completo aqui). Estas armadilhas vão desde pontos críticos climáticos até à inteligência artificial descontrolada, à poluição química e às doenças infecciosas em rápida evolução.

Vou ilustrá-los para você, acompanhados de muitos estudos importantes. Pronto para um “ciclo da morte”? Vamos começar.

1. Alterações climáticas e pontos de viragem.

Armadilhas evolutivas.
Armadilhas evolutivas: o clima enlouqueceu.

Um dos maiores perigos é representado por pontos de inflexão climáticos. O aumento das temperaturas globais pode desencadear reações em cadeia irreversíveis, com graves consequências para o ecossistema da Terra.

Desvendando padrões globais de mudanças climáticas irreversíveis: Um estudo relevante sobre o tema foi publicado na Nature Climate Change em 2022. Analisa mudanças irreversíveis na temperatura da superfície e na precipitação em resposta às emissões de CO2. Os autores identificaram padrões globais de alterações climáticas irreversíveis, sublinhando a importância de medidas imediatas para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e limitar o aquecimento global.

2. Inteligência artificial fora de controle.

Armadilhas evolutivas
Armadilhas evolutivas: AGI.

Se não for devidamente orientada, a IA poderá desenvolver objetivos e metodologias que entram em conflito com o bem-estar humano. Isto levaria a cenários potencialmente catastróficos (apelo à calma e ao equilíbrio nesta questão e clareza, mas talvez eu seja um dos poucos).

Uma revisão das evidências de risco existencial da IA ​​por meio da busca de poder desalinhada: este estudo examina a possibilidade de que sistemas avançados de IA possam desenvolver objetivos que não estejam alinhados com os valores humanos e busquem ativamente o poder. O documento destaca que não podemos descartar com segurança o risco existencial da IA ​​descontrolada. E isso é motivo de séria preocupação.​​​​

3. Poluição química

A evolução prende a poluição química
Armadilhas evolutivas: imersas em venenos.

O acúmulo de substâncias tóxicas no meio ambiente representa uma ameaça crescente à saúde humana e ao ecossistema. Do mais difundido (microplásticos que agora passam literalmente através de nós) até o mais sutil (as partículas finas que eles causam um Holocausto por ano), estamos imersos nessas armadilhas.

Uma agenda baseada na ciência para avaliações e decisões sobre produtos químicos que protegem a saúde: este estudo aborda a crescente crise de poluição química, destacando como a produção e utilização de produtos químicos industriais levaram a exposições generalizadas e impactos na saúde. Há um impacto desproporcional nas comunidades de baixa renda e nas comunidades de cor. O artigo oferece recomendações baseadas na ciência para reduzir exposições prejudiciais, concentrando-se na melhoria das políticas e avaliações de risco.

4. Doenças infecciosas “aceleradas”.

pandemia
Armadilhas evolutivas, um mundo infectado.

Pandemias recentes, como a COVID-19, demonstram que no Antropoceno (também no futuro) as doenças infecciosas podem propagar-se mais rapidamente do que nunca a nível mundial, com consequências devastadoras.

Estudo sobre a Dinâmica das Doenças Infecciosas e Mudanças Globais: Uma análise conduzida pela Nature Reviews Microbiology examina como as recentes mudanças globais, incluindo tecnológicas, demográficas e climáticas, aumentaram o risco de surtos de doenças infecciosas. Este estudo explora os impactos de fenómenos como a duplicação dos voos aéreos desde 2000, o aumento da população urbana versus rural desde 2007 e as alterações climáticas. E destaca como, apesar dos avanços significativos nos cuidados de saúde e no acesso aos cuidados de saúde, a ameaça das doenças infecciosas continua a ser substancial. Particularmente em países de baixa e média renda

5. Simplificação da agricultura.

Armadilhas evolutivas
Armadilhas evolutivas: monoculturas.

A dependência de algumas culturas, embora altamente produtivas, torna o sistema alimentar global vulnerável às alterações ambientais e às doenças.

Ameaças à segurança alimentar global provenientes de agentes patogénicos emergentes, fúngicos e oomicetos: este estudo destaca como os patógenos emergentes de fungos e oomicetos infectam as principais culturas calóricas e importantes culturas comerciais. É um risco significativo para a segurança alimentar global. As práticas intensivas de monocultura e os mercados globalizados favorecem o surgimento e a propagação de novos agentes patogénicos e de características problemáticas, como a resistência aos fungicidas. As alterações climáticas promovem ainda mais o aparecimento de agentes patogénicos em novas culturas e em novos locais.

6. Crescimento económico insustentável

Armadilhas evolutivas: crescimento verdadeiramente infinito. Mas para quantos?

Uma economia centrada no crescimento a todo custo pode levar à exploração insustentável dos recursos naturais e à desigualdade social.

Reestruturação de Sistemas Econômicos: de acordo com este estudo, o crescimento económico insustentável é um problema global que exige uma reestruturação dos nossos sistemas económicos. Esta abordagem visa ajudar os países a encontrar formas mais sustentáveis ​​de crescer, reconhecendo ao mesmo tempo o papel do crescimento económico na promoção do desenvolvimento humano, como a criação de emprego e a melhoria da saúde e da educação.

7. Instabilidade da cooperação global.

Armadilhas evolutivas: um mundo fraturado. Literalmente.

A falta de colaboração real e eficaz a nível global pode dificultar a resolução de problemas ambientais e sociais críticos.

Governança ambiental colaborativa: Alcançando ação coletiva em sistemas socioecológicos: esta pesquisa examina a importância da governança ambiental colaborativa para alcançar ações coletivas em sistemas socioecológicos. Destaca a necessidade de uma colaboração eficaz entre vários intervenientes e partes interessadas públicas e privadas para resolver os problemas ambientais. O estudo destaca a complexidade da governança ambiental colaborativa e a necessidade de estudos aprofundados para melhor compreender a sua dinâmica e melhorar a eficácia das ações coletivas.

8. Desalinhamento social e económico.

Armadilhas evolutivas
Armadilhas evolutivas: empresas da série A e da série B.

As políticas ultraliberais e as práticas económicas centradas apenas no lucro podem estar em conflito com o bem-estar social e ambiental, conduzindo a tensões e conflitos.

Globalização Neoliberal e Conflitos Ambientais: este estudo, agora com quase vinte anos, mostra como somos surdos aos alarmes. A globalização neoliberal conduz a conflitos ambientais crescentes, sublinhando a necessidade de tratar a distribuição económica, ecológica e cultural como igualmente importante para um mundo moderno pacífico, justo e equilibrado.

9. Digitalização e perda de capital social.

Armadilhas evolutivas
Armadilhas evolutivas: sozinho apaixonadamente.

A crescente digitalização da sociedade pode levar a uma perda de conexões humanas e capital social. Dois elementos essenciais para o funcionamento e manutenção das comunidades. Numa época de berços vazios e Ministros da Solidão, isso faz você pensar muito.

O papel crescente do corpo digital no capital humano: mudanças na natureza das comunicações. Este estudo de 2020 salienta que a digitalização melhora a comunicação e o acesso à informação, mas também pode reduzir a comunicação presencial e desumanizar a educação

10. Perda de biodiversidade

Armadilhas evolutivas
Armadilhas evolutivas: ecossistema dizimado.

La redução da biodiversidade é um problema tremendo. Tremendo. Ameaça os ecossistemas, a estabilidade do ambiente do qual dependemos, tudo.

Incorporado na natureza, na saúde humana e na biodiversidade: de acordo com esta pesquisa, a perda de biodiversidade reduz a variedade de vida na Terra e ameaça a ligação humana com a natureza, afetando negativamente a saúde humana e a estabilidade ambiental

11. Fraqueza das instituições democráticas.

Armadilhas evolutivas: pesadelo totalitário.

A erosão de instituições democráticas pode comprometer a capacidade das sociedades de enfrentar eficazmente os desafios globais.

Erosão da Democracia e dos Sistemas Políticos: A erosão das instituições democráticas pode levar a sistemas políticos indiferentes, a meios de comunicação produtores de propaganda e a uma economia distorcida. E este estudo explica bem.

12. Crescentes desigualdades sociais

Armadilhas evolutivas: somos todos desiguais.

O aumento das desigualdades pode alimentar a instabilidade social e política e, acima de tudo, impedir uma resposta eficaz às crises globais.

Desigualdade e instabilidade na época da COVID-19: esta pesquisa confirma como a crise da COVID-19 apenas aumentou a desigualdade entre os mais favorecidos e os mais desfavorecidos, potencialmente alimentando a instabilidade social e política.

13. Esgotamento dos recursos naturais.

Armadilhas evolutivas
Armadilhas evolutivas: não existem para ninguém.

A sobreexploração dos recursos naturais, como a água e os solos férteis, ameaça a sustentabilidade a longo prazo das nossas sociedades. Um gotejamento lento que ninguém quer enfrentar ainda.

Sistemas alimentares e recursos naturais: A sobreexploração de recursos como o solo, a água e os minerais ameaça a sustentabilidade a longo prazo das sociedades e exige uma transformação fundamental dos sistemas alimentares. É a conclusão deste estudo.

14. Resíduos e poluição ambiental

Armadilhas evolutivas: sob uma montanha de lixo.

A acumulação de resíduos e a poluição ambiental representam uma grave ameaça à saúde humana e aos ecossistemas.

Ecocídio – consequências globais (pesticidas, radionuclídeos, produtos petrolíferos): A poluição ambiental, como os pesticidas, os resíduos nucleares e os produtos petrolíferos, representa uma séria ameaça à saúde humana e aos ecossistemas, causando várias doenças e perturbando as funções dos ecossistemas. Aqui está o estudo correspondente.

A necessidade de mudança

Armadilhas evolutivas
O mapa das armadilhas evolutivas retirado do estudo sueco.

Para evitar estas armadilhas, a humanidade deve mudar activamente a sua sociedade. Nossa história até agora tem sido um produto inconsciente de outros processos evolutivos. Não estou dizendo aleatório, mas certamente não organizado. Chegou a hora de tomarmos consciência da nossa realidade e avançarmos coletivamente na direção desejada. Devemos reconhecer as interligações entre estas armadilhas e trabalhar em conjunto para as desarmar.

Os desafios complexos do Antropoceno só podem ser enfrentados com uma abordagem informada, ponderada e proativa. A nossa capacidade de adaptação e inovação trouxe-nos até aqui; agora, é hora de usá-lo com sabedoria para garantir um futuro sustentável para a nossa espécie e para a vida na Terra como a conhecemos.

Para relatar pesquisas, descobertas e invenções, entre em contato com a equipe editorial!

Futuro próximo e fatos cotidianos

Alberto Robiati e Gianluca Riccio guiam os leitores através de cenários do futuro: as oportunidades, riscos e possibilidades que temos para criar um amanhã possível.

Última